quinta-feira, 7 de agosto de 2008

CONVERSAS COTIDIANAS SOBRE ECONOMIA Nº 01

Estou iniciando por meio desta matéria, uma série de reproduções de conversas sobre economia que pretendo fazer daqui para frente e que vou publicar sempre que considerar oportuno.

Antes de ser economista e professor universitário, sou uma pessoa carente de boas conversas, e para este Blog em específico que sejam relacionadas a economia. Infelizmente estamos rodeados de faustões, gugus, lucianas gimenez, big brothers e quase não temos o privilégio, por falta de tempo ou mesmo de prioridades para uma boa conversa.

Três coisas eu observo nos homens e mulheres e que considero importantíssimas, que são: aperto de mão firme, olhar nos olhos do outro quando se dirige a este, e fundamentalmente que tenha um boa conversa.

Ontem (06/08) de manhã, depois de muito tempo, encontrei em frente ao mercadão municipal, uma pessoa que tem os três quesitos acima que é o Odinir Daniel Slompo. Quem o conhece sabe o que eu estou dizendo. Se você tiver tempo conversa com ele por horas seguidas e não enjoa, porque ele tem conteúdo. Embora não seja economista, fala de economia como tal, e agora muito mais, pois uma de suas filhas se formou, e outra faz o curso de economia na FECILCAM além de ter um genro formado em economia na nossa Instituição

Conversamos hoje sobre a grande transformação que o Brasil está passando, do aumento de renda da população, da redução da pobreza, da inserção do Brasil no mercado mundial. Eu disse a ele que vi numa reportagem do jornal estadual da globo que em Maringá tem mestre de obras ganhando até R$ 2.000,00 por mês e que estão chamando trabalhadores da construção civil de fora e dando a eles regalias para não perde-los e isso é maravilhoso. Ele por sua vez me disse que aqui em Campo Mourão a situação é parecida com relação às construções e que os imóveis estão valorizando muito. Falamos dos programas sociais que estão por aí e que embora haja sempre aqueles que não querem ver pobre receber benefícios, o resultado positivo é inegável. Foi como sempre uma conversa deliciosa.

Parece que tem dias que estamos iluminados, pois no mesmo dia, após terminar o expediente da Faculdade, tive o prazer de passar mais duas horas extremamente agradáveis, num dos estabelecimentos da rua da gastronomia, com os professores Carlinhos Aleixo, o Amauri Ceolim, o contador e estudante de economia Anderson Marcondes e a esposa dele a professora Valdinez. E por incrível que pareça, além das gargalhadas tão necessárias para nossa vida, discutimos também sobre a conjuntura econômica brasileira atual, que permite que pessoas menos favorecidas possam desfrutar de um mínimo necessário de cultura, e de bens que antes não tinham condições e também de estabelecimentos econômicos que surgem nos bairros sempre quando a economia vai bem. O Carlinhos nos esclareceu algumas coisas interessantes sobre a história mundiall que não sabíamos e cada um tentou descrever a sua maneira o Brasil atual.

Enfim, com certeza, por meio das conversas que tive com o Daniel de manhã, e com o Carlinhos, Amauri, Anderson e Valdinez à noite, com certeza terei mais subsídios para dialogar com meus alunos . Espero poder conversar e falar de outras pessoas e ter subsídios para publicar o “Conversas cotidianas sobre economia n º 02.

Um comentário:

  1. Anderson Marcondes9 de agosto de 2008 06:45

    Ta vendo Maybuk como bar é cultura...
    hehehe
    É sempre bom e salutar discutir sobre política e economia, pois são assuntos que estão relacinados a todas as áreas...

    Abraços e Sucessos !!!

    ResponderExcluir

LEIA COM ATENÇÃO!

Este espaço é para você fazer o seu comentário sobre a postagem ou mesmo sobre o blog como um todo. Serão publicados todos os comentários a favor ou contra, desde que não contenham textos ofensivos.
Os comentários serão publicados até 24 horas após o envio.

Se você NÃO quiser se identificar, marque o seu perfil como ANÔNIMO e envie. Se você QUISER se identificar, marque o seu perfil como NOME/URL, escreva o seu nome no campo NOME e deixe o URL em branco e envie.