sexta-feira, 8 de agosto de 2008

MITOS E COMENTÁRIOS SOBRE O BOLSA FAMÍLIA

Desde 2005, sou representante da FECILCAM no Comitê de Fiscalização do Bolsa Família de Campo Mourão e meu suplente é o professor Paulo R. S. Borges, além de nós fazem parte também as seguintes pessoas: Ervin de Menezes (Presidente) Nelci F S Bacelar, Luzia Cordeiro Mariano, Adriana L P da Silva, Maria Lucia B da Silva, Tânia Maria S Backschat , Gracislaine Aline Silva, Andréia Rejane Vinch, Heliane C. Pereira, Silvane Bottega, - Pedro Aparecido Rocha, Titina de O Espindola, - Ana Claudia P Justino, - Edson Calado, Maria Ap. C Pereira, Silmeire F Balabuch, Ivone M. Fiore, Rubens C dos Santos, - M Sezineide C. Melo, Marli Batista da Silva, Laudicéia C José, Antonia das Neves, José Luis da Silva, Carla M T Braga, Edna Marta Pelosi, - Richard L. Dickerson, Vanessa C Pereira .
O grupo por lei, tem representantes do poder público municipal e da sociedade civil, incluindo alguns beneficiários do programa. Somos um grupo comprometido com a legalidade, não recebemos remuneração e alguns de nós, são obrigados a ouvir uma série de coisas, uma parte fruto de pessoas desinformadas e outra de pessoas mal intencionadas.

Eu mesmo já ouvi até por alguns políticos, de que depois da unificação de todas as bolsas anteriores para a chamada bolsa família, não há mais exigência de condicionalidades, como se fosse uma distribuição de recursos do tipo “quem quer dinheiro do Silvio Santos”. Quem tem dúvida informe-se com a secretaria da saúde que é obrigada a acompanhar as pesagens das crianças, a vacinação e procure a secretaria de educação que é obrigada a acompanhar a freqüência escolar. Caso não se cumpram estes dois requisitos, por meio dos relatórios enviados ao Ministério do Desenvolvimento Social, há a suspensão do pagamento, até que os pais cumpram suas obrigações. Outra bobagem que se ouve por aí é que: “se o pagamento é feito por filho, quanto mais filho a família tiver mais se ganha”. Os que ainda pensam dessa forma, procurem a Ação Social e verão que existe limite máximo de crianças e limite de idade para pagamento.

Outra informação necessária é de que quando a renda aumenta acima do limite máximo a bolsa é cortada automaticamente. Portanto, as informações no cadastro do beneficiário têm que ser verídicas. Se há mentira constitui-se falsidade ideológica e isso é crime. Por falar em crime, nosso Comitê já analisou várias denúncias. Já identificamos vários casos de recebimento indevidos e tem casos que podem parar na Polícia Federal. Mas também há denuncias infundadas. Certa vez denunciaram que uma mulher tinha comprado uma máquina de lavar roupas com o dinheiro do Bolsa. Após verificação descobriu-se que a tal mulher cuidava de uma pessoa com necessidades especiais já adulta, de um caso raro que precisava de cuidados 24 horas por dia. E alguém queria se cortasse o benefício da “criminosa”.

É importante ressaltar que o Bolsa Família não é aposentadoria e que muitos beneficiários pedem o seu desligamento voluntariamente. Também há constantes projetos financiados pelo governo federal (com repasse mensais, só em Campo Mourão mais de R$10.000,00 ) junto ao beneficiários como forma de porta de saída. São programas de qualificação em várias áreas e tem surtido efeitos muito bons. Eu falo com conhecimento de causa, pois já coordenei trabalhos juntamente com meus parceiros Adalberto D.Souza e João Marcos Avelar em outros municípios. Em Campo Mourão não coordenei, mas são executados vários projetos é só se informar junto à Ação Social. Além disso, tenho duas assistentes sociais na minha família (Rose Mari Maybuk – irmã) e (Ivone Michalski - tia) que nos municípios onde atuam também desenvolvem projetos relevantes na área.

Muitas pessoas, dizem que ninguém vai deixar o programa para poder viver “nas costas” do governo. E aí eu pergunto se o beneficiário recebe R$100,00 de Bolsa e lhe é oferecido um emprego de R$ 500,00 ele não vai aceitar? Só não estiver bem da cabeça. É claro que há as exceções dos “parasitas” “laranjas podres”, mas isto tem em todas as classes de pessoas.

Alguns criticam este pagamento porque provavelmente não tem noção do impacto do programa. Uma representante do nosso comitê testemunhou que depois desse programa, a auto-estima das pessoas beneficiadas aumentou e com esse mínimo de ajuda que recebem, estão mais esperançosas e participam mais dos cursos de qualificação.

Como economista, tenho certeza que este programa não é gasto e sim investimento. Inclusive a ONU já afirmou que está ocorrendo uma revolução silenciosa no Brasil por meio dele.Como professor de formação econômica do Brasil eu sei que estas pessoas são fruto de um sistema perverso de concentração de renda que vem desde as Capitanias Hereditárias. Durante mais de 300 anos essa população mais pobre foi crescendo a esmo, sem educação e sem renda e esta dívida social deve ser resgatada.

Como professor de economia do setor público que já fui, eu sei, que sai muito mais barato e mais produtivo, investir em educação dessas crianças, agora, do que gastar com problemas de delinqüência que parte delas podem ter no futuro. Além disso, como professor de economia política que sou, eu sei que a intervenção governamental é necessária para corrigir distorções econômicas. Ainda como conhecedor do chamado multiplicador Keynesiano eu sei que este programa proporciona impacto na economia. Aliás o próprio Estados Unidos, no ano passado liberou U$800,00 para uma quantidade de americanos sem nenhuma contrapartida, somente para gastar no comérico e para aquecer a economia que estava entrando em recessão, mas como lá é primeiro mundo PODE aqui não PODE.

Eu já ouvi inclusive que quem recebe bolsa família não deveria votar, isso é o cúmulo da discriminação, se isso acontecesse, todas as pessoas que recebem alguma forma de subvenção do governo, professores, comerciantes, agricultores, funcionários públicos, e até políticos também não deveriam votar. Imaginem vocês, por causa de receber um mísero valor e ter resgatado um pouquinho de dignidade lhe fosse arrancado o direito sagrado do voto, seria um crime contra estas pessoas, inclusive por se tratar de um país que ainda impera as falcatruas envolvendo pessoas de todas as classes sociais.

Eu já orientei trabalho de monografia e se descobriu que tem municípios no Brasil em que o repasse do bolsa família é maior que o fundo de participação do município. Além disso, como as pessoas não comem dinheiro, para se atender a todos os beneficiários do Bolsa família tem que se produzir e vender estes produtos que eles consomem. O governo recebe de volta em impostos se não tudo, boa parte daquilo que investiu na população mais pobre, além de ter contribuído para um Brasil melhor.

4 comentários:

  1. Parabenizo o Sr. Sergio pela brilhante e profunda explanação do Programa Bolsa Família. Devo acrescentar que como Assistente Social também escuto os mais variados comentários, sendo o mais cotado " o governo está produzindo vagabundos". Em geral, tais comentários são oriundos de pessoas incapazes de realizar análise profunda e crítica do que o perverso Modo de Produção Capitalista produziu ao longo de sua existência, onde se valoriza o que se tem e não o ser. Não compreende que não há e provavelmente nunca haverá trabalho para todos e que um indivíduo que desde a infância até sua idade adulta enfrentou os mais variados flagelos, como: fome, frio , abandono, violência, etc, não apresenta condições físicas e intelectuais para enfrentar um mercado de trabalho escasso e competitivo. Devemos lembrar que antes de cobrar ou criticar é necessário oferecer condições as pessoas para enfrentarem o referido mercado. O Programa Bolsa Família já vem demonstrando essa preocupação através de capacitação, que é o caso do curso para pedreiros nos grandes centros urbanos. No município onde atuo estamos implantando uma cooperativa de facção de jeans
    como geração de emprego e renda.Os recursos utilizados são municipal e também do IGD - Índice Geral de Desenvolvimento. Desta forma, acreditamos que encontraremos de fato a porta de saída da Assistência Social.

    ResponderExcluir
  2. Juliano Domingues9 de agosto de 2008 09:56

    Concordo plenamento com o professor

    Com o ponto de vista de administrador, e tendo a oportunidade de conhecer as mais diversas realidades sociais, tanto na comunidade que morei, nas que visitei ou nas que ouvi falar, entendo que o poder público tem a obrigação de intervir na sociedade para garantir todos direitos sociais a todas as pessoas de forma isonômica.
    Claro que o Programa Bolsa Familia não garante todos os direitos sociais, mas como um individuo pode priorizar educação, lazer, cultura, se não possuir renda para garantir suas necessidades básicas (alimentação, habitação)?

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do texto, esclarecedor e claro.
    Parabenizo o professor pela iniciativa, em especial pela divulgação do comitê de fiscalização do bolsa família, do qual fazemos parte, pois é importante circular a informação e estimular a sociedade para particpar do controle social das políticas públicas. Saudações, Silvane Bottega, silbottega@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  4. estou indiguinado com uma pessoa que esta recebendo o bolsa falia aqui em campo mourao o cara trabalha na uzina mourao, cuida de 7 chacaras de lazer tem 2 carros e moto, mas colocou no nome da espoza que diz estarem separados mas nao verdade nao estao o nome da pessoa e normal Batista da silva que mora na uzina mourao na chacara do senhor altevir Soaviski, por favor vao veriguar essa denucia tem tatas pessoas presizando e ele nao presiza ja que ele propiro diz que ganha muito bem e ainda pega o bolsa familia pra beber nos bares e fazer festinha, enquanto isso as pessoas que realmente presizam estao passando nesecidades venhao verificar essa denunca por favor nao é justo isso acontecer, é so perguntarem pelo senho normal batista da silva e a senhora Marlene de Quadros orbrigado

    ResponderExcluir

LEIA COM ATENÇÃO!

Este espaço é para você fazer o seu comentário sobre a postagem ou mesmo sobre o blog como um todo. Serão publicados todos os comentários a favor ou contra, desde que não contenham textos ofensivos.
Os comentários serão publicados até 24 horas após o envio.

Se você NÃO quiser se identificar, marque o seu perfil como ANÔNIMO e envie. Se você QUISER se identificar, marque o seu perfil como NOME/URL, escreva o seu nome no campo NOME e deixe o URL em branco e envie.