sexta-feira, 30 de julho de 2010

EMPRESA PETROLEIRA BRITÂNICA AMEAÇA O SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL

Interessante artigo escrito pelo professor de economia política Michael R. Kratke da Universidade Lancaster no Reino Unido, sobre aquela empresa petroleira BP responsável por um dos maiores acidentes ecológicos do planeta. No artigo ele não trata do estrago ambiental que já está feito e sim do possível estrago financeiro mundial que poderá ocorrer. CLIQUE AQUI para ler.

13 comentários:

  1. Isso mostra que realmente os grandes capitais estão nas mãos de poucos. E esse acumulo de capital esta gerando grandes crises mundiais, onde quando uma dessas enormes empresas multinacionais entram em crise, como o caso da BP, afetam, e muito, diretamente o resto da população, pagando por essa falha de redistribuição de renda do capitalismo.

    André Lucas Ciola
    acadêmico do quarto ano de Ciências Econômicas

    ResponderExcluir
  2. Eduardo Rochtaschel foss (Acadêmico do segundo ano de Ciências Econômicas)1 de agosto de 2010 14:37

    Uma empresa e um grande problema. Este é o Capitalismo que sempre está a nos abalar, uma empresa como a BP que causou sérios danos ao meio ambiente, com o vasamento de petróleo no Golfo do México, agora pode causar sérios problemas para a economia mundial, porque após essa terrível catástrofe ambiental, ela volta a nos preocupar na questão econômica. Espero que seus problemas sejam resolvidos a tempo de não causar outro grande problema economico mundial, porque o sistema capitalista não perdoa, o ciclo tem que ser perfeito, caso contrário, todos terão de pagar.

    ResponderExcluir
  3. Vale resaltar como uma empresa que tempos atrás poucos conhecia pode causar uma "tragedia" para o meio ambiente e principalmente para o mercado financeiro, pois temos que investir mais em outras tecnologias em energias para não depender do petroleo e não deixar que poucas grandes empresas tetenham força no mercado financeiro, para que não sofremos outra crise mundial como a ultima.

    Thiago Bianchini
    Acadêmico do 4° ano de Ciências Econômicas

    ResponderExcluir
  4. Quando acontecem tragédias como esta que presenciamos há alguns meses atrás com a petrolífera British Pretoleum, é que podemos perceber como funciona esse tal de “sistema” onde estamos inseridos. A concentração do poder na mão de poucos faz com que o mundo gire em torno destes. Se há uma falha, como a que aconteceu, há um desequilíbrio e afeta de certo modo todos.
    Segundo artigo do professor Michael R. Kratke “os custos do desastre petrolífero no golfo do México estimam-se em 70 bilhões de dólares”, mas será que é possível mensurar monetariamente todo o impacto ambiental causado? Os danos são enormes para nós e as próximas gerações.
    Claro que acidentes acontecem, mas uma empresa capaz de causar tanto impacto deveria ter um sistema de segurança mais eficiente. Levaram 87 dias para conter o vazamento!!!E além dos danos ambientais causados surgem os danos financeiros em cena. Sendo uma empresa que concentra um alto capital, sua falência prejudicara outras que de certa forma estão relacionadas com esta e assim por diante.
    Creio que esta força soberana chamada de capitalismo irá durar para sempre.. pois não demora muito, acaba com o nosso planeta!

    Debora Micheloni
    2º Ciencias Economicas

    ResponderExcluir
  5. Empresas multinacionais como essa BP, frequentemente vem causando problemas não só ambientais como econômicos/financeiros. Nesse caso da BP, além do grande desastre ecológico causado no Golfo do México que trouxe vários agravantes ecológicos e econômicos, agora traz esse risco, o de um outro possivel desastre, mas dessa vez financeiro. Se as coisas continuarem como estão, daqui a um tempo veremos nos noticiários a eminencia e uma nova crise economica.

    ResponderExcluir
  6. Empresas multinacionais como essa BP, frequentemente vem causando problemas não só ambientais como econômicos/financeiros. Nesse caso da BP, além do grande desastre ecológico causado no Golfo do México que trouxe vários agravantes ecológicos e econômicos, agora traz esse risco, o de um outro possivel desastre, mas dessa vez financeiro. Se as coisas continuarem como estão, daqui a um tempo veremos nos noticiários a eminencia e uma nova crise economica.

    Josimara Kellen de Camargo. academica 2º ano de economia.

    ResponderExcluir
  7. Esse é o retrato do mundo, nota-se que as pessoas (no caso os empresários) estão preocupados em levantar ganhos, sem perceber que poderemos sofrer com isso futuramente aliás já estamos sofrendo com as repentinas crises que estão abalando a economia mundial, e que o meio ambiente virou apenas objeto de força de trabalho. As futuras gerações sentiram na pele esses problemas, causados ao meio ambiente, realmente é vergonhoso ver que os empresários estão preocupados em buscar objetivos de levantar apenas capital financeiro e não olhar ao seu redor e ver os problemas causados a sua volta.

    Rafael S. dos Reis. Acadêmico 4º de Economia

    ResponderExcluir
  8. Cada vez mais podemos abservar que as frandes nações estão sucumbindo ante o capitismo. Como o prório Michael Kratke diz, a economia de hoje é fundamentada em combústivel fóssil e especulações financeiras, tais coisas deixaram de exitir, como se sabe, os combustiveis fósseis não são renovaveis e a eseculação tende a cada vez mais afundar o capitalismo. Por esta razão, cabe às grandes potencias mundiais alertarem aos investidores sobre tais atos e suas consequencias não apenas para a economia local, mas para a economia mundial, para que novamente não venhamos a cair em uma crise que sempre tem os mesmos principios e motivos.

    José Aroldo dos Santos
    2º ano de Ciencias Economicas

    ResponderExcluir
  9. Amanda Paula Ramos3 de agosto de 2010 10:56

    É interessante o Brasil prestar atenção nas lições do desastre no Golfo do México,pois os desafios tecnológicos relativos a segurança se tornarão maiores em nosso país na medida em que ocorrer a exploração comercial do petróleo localizado na camada pré-sal do oceano

    ResponderExcluir
  10. leo galvao 2º economia3 de agosto de 2010 11:13

    Enquanto tem-se "abundancia" de combustiveis fosseis fica essa negligencia perante os problemas. Visitinhas de presidentes etc. mas ninguem divulga as reais dimensões do problema. Veremos qual sera a reação quando começarem a morrem inocentes perante a essa guerra capitalista. Infelizmente so podemos aguardar pra ver se isso tera fim...

    ResponderExcluir
  11. Elizabete Cristina Bueno - 4º ano de Economia3 de agosto de 2010 19:28

    Mais uma catástrofe está sendo anunciada, está se tornando uma tendência mundial, pois cada vez mais estão ocorrendo crises que abalam a economia global. Grandes empresas estão crescendo cada vez mais e sobre capital especulativo, o que não confere segurança financeira. A segurança, tanto financeira quanto ambiental, tem que ser levada cada dia mais a sério, pois são esse fatores que estão determinando a permanência das empresas no mercado mundial. Com tantos problemas de crises afetando as "gigantes" tem-se que rever alguns conceitos...

    ResponderExcluir
  12. Fernando Magiroski- academica 2º ano de economia.4 de agosto de 2010 11:19

    Depois de ser causadora de um grande problema ecológico causado no Golfo do México que trouxe vários agravantes agora traz esse risco, o de outro possível desastre, mas dessa vez financeiro que acarretara um na crise, que certamente que vai pagar será nós!!

    ResponderExcluir
  13. Adriany Cristine - 4 ano economia4 de agosto de 2010 17:11

    A BP como uma grande empresa deveria investir muito em cuidados ambientais, para compensar um pouquinho dos estragos por ela causada, e além do meio ambiente agora está prestes a prejudicar a economia tambêm era só o que faltava...

    ResponderExcluir

LEIA COM ATENÇÃO!

Este espaço é para você fazer o seu comentário sobre a postagem ou mesmo sobre o blog como um todo. Serão publicados todos os comentários a favor ou contra, desde que não contenham textos ofensivos.
Os comentários serão publicados até 24 horas após o envio.

Se você NÃO quiser se identificar, marque o seu perfil como ANÔNIMO e envie. Se você QUISER se identificar, marque o seu perfil como NOME/URL, escreva o seu nome no campo NOME e deixe o URL em branco e envie.