sábado, 22 de novembro de 2008

OBAMA VAI USAR POLÍTICA KEYNESIANA PARA SALVAR ECONOMIA

A turma do "corta gastos" do Brasil, liderados pela "grande" Miriam Leitão, PSDB, DEM e agregados e mais ainda o deputado federal eleito pelo PSDB e atual Presidente do Banco Central do Brasil Henrique Meireles, devem estar arrepiados com as medidas que Barack Obama para criar 2,5 milhões de empregos. Lá não se fala de subir taxa de juros, pelo contrário lá a regra é baixar juros porque o medo não é da inflação e sim da deflação que talvez seja até pior.
Lá o governo vai utilizar recomendação do bom e velho Keynes. Vão fazer obras públicas para gerar empregos. Vamos acompanhar os futuros comentários dos "grandes" comentaristas econômicos do Brasil. Se elogiarem Barack Obama, não poderão criticar o Brasil com o PAC e qualquer atitude de política fiscal e monetária em prol de injetar dinheiro na economia. Se elogiarem lá e criticarem aqui, só há um remédio. É chamá-los de hipócritas.
Clique aqui para ler matéria

7 comentários:

  1. Jackeline 2º Economia22 de novembro de 2008 15:53

    Bom, pelo que eu estou entendendo a midia está tornando a crise nos EUA, uma coisa que realmente nao é, está deixando o consumidor aterrorizado e com isso faz com que as pessoas deixem de consumir. Pra mim o mercado brasileiro, de pessoas super consumidoras, vai aquecer no fim do ano.

    ResponderExcluir
  2. Pelo pouco que pude entender,o novo presidente eleito dos EUA Barack Obama não esta nem um pouco preocupado em subir as taxas de juros porque ele não teme a inflação mas sim a deflação que pelo pouco que entendo é um pouco pior que a "inflação",Obama esta preocupado em fazer obras públicas para gerar mais empregos e assim criar os 2,5 milhões de novos empregos, assim usando a política keynesiana para salvar a economia do País.

    MONICA SANTOS DE ANDRADE 2ºANO DE CIENCIAS ECONOMICAS.
    monicabarbie_hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. ADEMIR MORAIS DA LUZ (2º ANO DE ECONOMIA)23 de novembro de 2008 17:35

    Concordo com o professor Maybuk, se o EUA que é a maior potência mundial, incentiva as transações comerciais, favorecendo o povo com a taxa de juros, e utilizando-se dos conceitos de Keynes. Porque recriminar o Brasil com sua política social, a qual na minha concepção deveria ser ainda mais efetiva, posto que o Brasil por se tratar de um país em constante desenvolvimento, forte poder financeiro, porque não incentivar a sociedade brasileira criando novos programas sociais, a fim de ajudar as pessoas que se encontram marginalizadas economicamente.
    Se o Brasil der subsídios à uma maior proporção de brasileiros, os quais ainda se encontram na classe miserável , esta classe social com certeza irá participar ativamente da economia, fazendo com que a mesma gire e aquecendo o mercado financeiro.
    Quanto a nossa economia, os economistas deveriam tomar alguma atitude mais séria, explicar a real situação econômica do Brasil, posto que o “terror”, como a acadêmica Jacqueline informou em seu comentário, realmente é um fator negativo e gera muitos conflitos e como o brasileiro é o povo mais “sossego” que existe, ao invés de seguir seu instituto e comercializar, compra, etc... essa atitude recessiva, poderá futuramente acarretar muitos problemas e possivelmente uma crise financeira sim.

    ResponderExcluir
  4. Barack Obama, promete que uma administração Obama vai aceder a uma cooperação estreita com a Europa para regular o sistema financeiro mundial mas será um osso mais duro de roer no comércio internacional, querendo rever acordos comerciais para proteger os trabalhadores americanos. Para dentro e para fora, Keynes é sua referência.
    ELEANDRO MESSIAS DE ASSIS

    ResponderExcluir
  5. Lembremos que a crise de 29 começou em situação parecida, só não tínhamos um candidato negro que “representasse a esperança”. A crise teve repercussões profundas no mundo – a revolução no Brasil que levou Vargas ao poder, a tomada do poder na Alemanha pelos Nazistas, a guerra civil espanhola e, 10 anos depois, a II Guerra mundial. Agora Barack Obama pretende diminuir impostos pagos pelos pobres e pela classe média. No comercio Internacional, preservar os empregos americanos. Acordos comerciais que abram o mercado para os bons produtos americanos.
    ODAIR BRANCOS DOMINGOS

    ResponderExcluir
  6. é simples... por iniciativa e financiamento estatal são promovidas e executadas varias obras publicas, que empregam trabalhadores, tiram muita gente do desemprego, garante mais remuneração paga a população (distribuição e circulação de capital), da maior poder de compra ao individuo, que irá aquecer as vendas no mercado, demandando mais produtos e gerando mais empregos ainda... um ciclo obvio e extremamente importante a qualquer economia.... sem contar que as obras publicas, que são sobretudo infraestrutura, ficam a disposição em beneficio do coletivo da sociedade... quem sabe os preceitos keynesianos um dia sejem bem aplicados no nosso brasil... o PAC juntamento com as PPP`s d governo federal ja podem ser considerados um bom começo....

    prof, parabem pelo blog... uma importatissima ferramenta de atualização e estudo do cenário economico para nós estudantes... té a proxima!

    renan 2 ano

    ResponderExcluir
  7. MINHA OPINÃO É A SEGUINTE, SE UM PRESIDENTE TEM QUE SALVAR A ECONOMIA DE UM PAÍS PARA SEU POVO POSSA VIVER MELHOR TEM QUE SE TOMAR PROVIDêNCIAS SEJAM DRÁSTICAS OU NÃO, DOA A QUEM DOER. PORQUE QUAL A VANTAGEM ENTÃO DA GENTE EM VOTAR NESSES CARAS SE NÃO E PRA NOS AJUDAR.
    EDILSON AMARO 2ANO ECONOMIA

    ResponderExcluir

LEIA COM ATENÇÃO!

Este espaço é para você fazer o seu comentário sobre a postagem ou mesmo sobre o blog como um todo. Serão publicados todos os comentários a favor ou contra, desde que não contenham textos ofensivos.
Os comentários serão publicados até 24 horas após o envio.

Se você NÃO quiser se identificar, marque o seu perfil como ANÔNIMO e envie. Se você QUISER se identificar, marque o seu perfil como NOME/URL, escreva o seu nome no campo NOME e deixe o URL em branco e envie.