sexta-feira, 24 de outubro de 2008

ALAN GREESNSPAN ADMITE QUE ERROU

A maioria dos norte americanos e os liberais de carteirinha estão meio desnorteados em função das estatizações no sistema financeiro, apontadas como sendo necessárias para o estrago não ser maior.
Esta semana o ex-todo poderoso Presidente do Banco Central dos EUA Alan Greenspan, que mandou no Banco Central de lá por 5 mandatos seguidos, foi obrigado em depoimento ao Congresso americano a admitir que errou em não criar controles para evitar os abusos no mercado financeiro. Enquanto ele fazia seu depoimento as Bolsas no mundo todo caíam.
Sempre que este homem falava nos Estados Unidos, o mundo financeiro tremia pela emoção de ouvir um expert no assunto. Dessa vez, principalmente os liberais tremeram de vergonha e constrangimento ao ver o grande ídolo contemporâneo da cartilha do liberalismo econômico, admitir que o mercado financeiro precisa de controle.
Nada como a história se manifestando e nos fazendo entender que este negócio de pensamento único na economia era uma balela que tinha que ser destruída. Há um ditado que diz: quem viver verá. Eu vivi e vi.

Um comentário:

  1. Viviane 2 Ano Economia24 de outubro de 2008 05:12

    Bom dia Prof.!

    O grande problema da crise mundial e a queda do liberalismo, é que seremos afetados também.
    Ainda ontem assisti em um jornal, um economista brasileiro falando que nossa economia não terá crescimento para esse proximo ano.
    E me indago, será que nos anos que seguem conseguiremos nos equilibrar?

    Um abraço!

    ResponderExcluir

LEIA COM ATENÇÃO!

Este espaço é para você fazer o seu comentário sobre a postagem ou mesmo sobre o blog como um todo. Serão publicados todos os comentários a favor ou contra, desde que não contenham textos ofensivos.
Os comentários serão publicados até 24 horas após o envio.

Se você NÃO quiser se identificar, marque o seu perfil como ANÔNIMO e envie. Se você QUISER se identificar, marque o seu perfil como NOME/URL, escreva o seu nome no campo NOME e deixe o URL em branco e envie.